A revolução vem dos...biscoitos!

Conheça o trabalho das jovens que unem em receitas de biscoitos a arte, a gastronomia e a militância política





“A revolução se faz através do homem. Mas o homem tem que forjar, dia a dia, o espírito revolucionário”. A celebre frase do líder revolucionário argentino Ernesto Che Guevara talvez, não meramente por um acaso, tenha servido como inspiração para a nutricionista Vanessa das Neves, que juntamente com duas amigas, a gastrônoma, Vivian Oliveira, e doutoranda em Nutrição, Wiliane Pinheiro, lançaram os “Biscoitos da Resistência”.


A ideia, segundo Vanessa, que trabalha também como professora universitária, surgiu através de uma postagem no Mídia Ninja, veículo de imprensa alternativa. No post, um biscoito com a mensagem “Fora Bolsonaro”, despertou a veia militante da nutricionista:


“Após ver a postagem do Mídia Ninja resolvi então chamar uma amiga, professora de gastronomia, para fazer as receitas. Ela topou. A ideia inicial não era vender, era uma coisa nossa, do nosso grupo de amizade...Daí chamamos uma outra amiga, também professora, e que faz doutorado em Nutrição, para nos dar um suporte. Somos todas da área acadêmica, sendo que cada uma tem uma função. Os biscoitos são produzidos em minha casa”.


Oriunda de uma família de professores, a educadora foi habituada ainda na infância a discutir sobre política. Os temas e personalidades, de acordo com Vanessa, são extraídos dos próprios movimentos de esquerda.


“Sou bem esquerdista. Gosto muito de política, discuto e gosto muito de ler sobre o assunto. Tenho minha preferência política por alguns partidos e algumas personalidades, mas não sou filiada a nenhum partido ou movimento. Tenho minha ideologia, realmente. Tenho até um irmão que faz parte do PT (Partido dos Trabalhadores)”, conta a jovem.

Em pequenas formas redondas ou retangulares, de canela, chocolate, raspa de limão, de leite, de coco ou de baunilha, as simples receitas ganham contornos revolucionários.





“Sou meio criativa e como gosto muito de política. Fui pegando os símbolos mais importante da esquerda. O “Fora Bolsonaro”, que é o clássico, e é o que todo mundo quer. Tem muita gente que nem é esquerda e comprou o biscoito “Fora Bolsonaro”. O Lula 2022 também tem saído bastante. É militância de mais. Uma coisa é fato: as pessoas compram o biscoito para poder se expor, postar no Instagram e mostrar seu lado político. Além do que, é tudo feito com bastante amor.”



Polarização - O clima de tensão em torno do cenário político do país é motivo de preocupação para as jovens. Temendo algum tipo de retaliação por parte dos movimentos de apoio ao atual presidente Jair Bolsonaro, as jovens optaram em não se expor nas redes sociais, onde somente são postadas fotos das mercadorias. No entanto, Vanessa ressalta que é importante que as pessoas não sejam indiferentes ao atual cenário política. “Militar é preciso”, segundo ela.


“Os seguidores de Bolsonaro são muito violentos. A página vai ser sempre “biscoitos da resistência”. Não vamos os botar a cara da gente, pois não queremos represálias. Algumas pessoas já falaram: “Vanessa, cuidado...” Nossos pais também pediram que a gente tivesse muito cuidado e por isso preferimos ficar no anonimato”, salienta.




“Acho que vivemos um momento histórico, não somente a nível mundial por conta da pandemia, mas também a nível nacional por conta do delicado momento político. Acredito, sim, que é importante que todo mundo se posicione. Não necessariamente precisa ser de esquerda e votar no PT ou no Psol, mas se posicionar contra todos os absurdos que estão acontecendo aqui no Brasil. Se as vacinas tivessem sido compradas poderíamos ter evitado mais de 300 mil mortes. Já tivemos muitas perdas sociais que conseguimos ao longo dos anos. Sou professora de Saúde Pública e poderia te falar todas as políticas públicas que já perdemos com Bolsonaro. É preciso se posicionar, militar...”, finaliza.



Valeu, garotas. “Hasta la victoria, siempre!”