Com a proximidade das festas juninas, cresce a procura por produtos típicos da culinária nordestina


Foto: Reprodução

Com a proximidade das festas juninas, a procura por produtos típicos da culinária nordestina tem sido intensa em Salvador. Quem busca por produtos como milho e amendoim, dois itens essenciais das ceias no São João, tem à disposição mercados e feiras municipais, localizados em diversos pontos da cidade, para realizar as compras.


De acordo com o titular da Coordenadoria de Feiras e Mercados da Secretaria de Ordem Pública (Semop), Paulo Cristiano Ferreira, a expectativa é que, nestes pontos, haja um aumento de público de ao menos 60% circulando nos espaços e de crescimento das vendas em até 70%.


“Tivemos uma pausa das festas durante a pandemia, mas este ano acreditamos que vamos retomar o crescimento do comércio no período do São João. A partir do dia 22 de junho, o movimento começa a ficar mais intenso nas feiras e mercados. Por conta disso, também intensificamos a fiscalização nos espaços”, explicou.

A fiscalização no período de maior movimentação nas feiras e mercados municipais da capital baiana, feita pela Semop, busca o ordenamento do entorno dos espaços para evitar que os feirantes, com ou sem cadastro, ocupem as calçadas ou coloquem seus produtos na área destinada aos veículos. Isso garante que tanto quem vai aos espaços realizar suas compras quanto quem esteja de passagem pelos locais possa se locomover com segurança e sem transtornos.


Expectativa – O feirante Umbelino Lopes, que atua no Nacs de Itapuã, afirma que há uma procura intensa por diversos produtos que são facilmente encontrados no local, como laranja, tangerina e o tradicional licor, seja de jenipapo ou outros sabores, assim como milho, amendoim e aipim ralado. Este ano, afirmou, deverá ser de recuperação das vendas, que tiveram uma queda brusca em função da pandemia, nos dois anos anteriores.


Quem comparecer ao Nacs de Itapuã poderá encontrar, em média, amendoim comercializado por R$5 o litro, aipim ralado por R$7, milho por R$2 a espiga ou ainda três unidades por R$5. Os preços, afirmam os feirantes, sempre podem ser negociados.

Funcionamento – Salvador possui 20 feiras e 14 mercados municipais disponíveis para a população e em atividade durante todo o ano. Nesta época de festejos juninos, as feiras que apresentam maior movimento são a Feira de São Joaquim, na Cidade Baixa; a do Japão, na Liberdade; a de Castelo Branco; e da Rótula da Feirinha, em Cajazeiras X. Já os mercados municipais que costumam ter grande procura pelos alimentos típicos são os Núcleos de Abastecimento, Comércio e Serviços (Nacs) de Itapuã e de Periperi.


De acordo com a Coordenadoria de Feiras e Mercados da Semop, até o dia 23 de junho os mercados municipais funcionarão das 7h às 17h e as feiras, das 6h às 17h. Já no dia 24 de junho, quando é celebrado o São João, o horário de funcionamento dos mercados será das 7h às 13h e as feiras, das 6h às 13h.