Comissão da Câmara de Salvador discute retomada das atividades econômicas com Prefeitura

A Comissão de Desenvolvimento Econômico, Turismo e Relações Internacionais da Câmara Municipal de Salvador discutiu, nesta segunda-feira (15), a retomada das atividades econômicas e ações de incentivo à economia da cidade.

A Prefeitura de Salvador apresentou, na última semana, um plano de retorno às atividades baseado em um escalonamento dos horários de funcionamento de cada setor, dentre eles comércio, serviços, turismo, alimentação, escritórios e construção civil. A ideia do executivo municipal é manter o máximo de atividades econômicas ativas, reduzindo o risco do contágio. O escalonamento auxiliaria, por exemplo, no controle do fluxo do transporte público.

Na reunião, as secretárias apresentaram que a arrecadação de ISS pela Prefeitura de Salvador no período de 1º de janeiro a 15 de março, em comparação com o mesmo intervalo do ano anterior, sofreu queda de 12%. O maior impacto foi sentido no setor de Turismo, que teve 57% a menos de arrecadação no período.

“Na oportunidade, discutimos sobre de que forma podemos colaborar para o retorno das atividades comerciais, reduzindo ônus dos setores produtivos, construindo uma alternativa que seja viável para o município e que, ao mesmo tempo, consiga garantir a sobrevivência desses setores que são tão importantes para a geração de emprego e renda”, afirmou o presidente da Comissão, vereador Ricardo Almeida.

Como resultado do encontro, o executivo municipal irá analisar alternativas, como prorrogação de prazos de dívidas e incentivos fiscais para estimular a retomada de setores da economia. As ações terão base em um novo plano de faseamento que está sendo elaborado pela secretaria municipal de Desenvolvimento Econômico, Emprego e Renda. Além de Almeida, também participaram da reunião realizada na secretaria da Fazenda os vereadores Claudio Tinoco, Cris Correia, Daniel Alves e Sílvio Humberto.

“Dentre as demandas expostas na reunião, apresentei às secretárias solicitações do Conselho Baiano de Turismo e da Associação das Empresas Produtoras de Eventos para avaliação. As entidades solicitam medidas tributárias, como isenção, descontos ou diferimentos de impostos e taxas”, disse o vereador Claudio Tinoco.