Marta Rodrigues é a nova líder da bancada oposicionista na CMS: “população nos elegeu para ser

A vereadora Marta Rodrigues (PT) foi escolhida como a nova líder da oposição na Câmara de Vereadores de Salvador. Marta substitui o vereador Sidninho (Podemos) na bancada oposicionista. A 1ª vice-liderança ficou com o vereador Hélio Ferreira (PCdoB), a 2ª com o mandato coletivo Laina Pretas por Salvador (PSOL) e a 3ª com o vereador Silvio Humberto (PSB).

De acordo com Marta, sua gestão à frente do grupo será pautada, sobretudo, pelo  diálogo junto aos partidos da bancada e no trabalho de fiscalização.

“A população nos elegeu para ser oposição a este governo, e o faremos, como sempre, com dados, números, com fiscalização dos contratos e com a exposição do mau uso dos recursos públicos, cobrando uma gestão que combata as desigualdades sociais, que construa uma política municipal de saneamento básico, que respeite o Estatuto de Promoção da Igualdade Racial e Combate à Intolerância Religiosa”, afirmou a edil.

“Iremos continuar na luta por mais justiça social, menos desigualdade, mais oportunidades para nossa população de maioria negra e pobre. Neste ano tão difícil, vamos estar atentos também às áreas mais afetadas com a pandemia, como  saúde, a educação e  emprego, quesitos em que Salvador está aquém do ideal. Tudo será feito com muita escuta da população e diálogo”., completou.

A petista elencou ainda alguns temas, que segundo ela, escancaram a estratégia articulada pela gestão municipal no sentido de “maquiar” e “enganar” a população:

“Salvador é uma cidade muito carente, temos muitos déficits na educação, na reparação social e na saúde. A LOA (Lei Orçamentária Anual) para o ano de 2021 escancara essa falta de prioridades da prefeitura, que vem sendo desde sempre uma gestão feita de muita propaganda e maquiagem, com projetos rasteiros para enganar as pessoas, vide os valores incoerentes de diversas pastas, a exemplo da Reparação com 5,8 milhões e da Publicidade Institucional com 49,5 milhões, além de uma redução de 39 milhões na pasta de Educação este ano em comparação ao ano passado”.