Papa faz defesa do meio ambiente e lembra música de Roberto Carlos


REUTERS / Remo Casilli

Despejar plástico em cursos d’água é “criminoso” e tem que acabar se a humanidade quiser salvar o planeta para as gerações futuras, disse o papa Francisco em entrevista à televisão neste domingo (6).


Em entrevista de uma hora ao Canal 3 da emissora estatal RAI, Francisco reiterou alguns dos principais temas de seu papado, condenando gastos excessivos em armamentos, defendendo os direitos dos imigrantes e condenando a rigidez ideológica dos conservadores na Igreja.

O papa, que tem feito da defesa do meio ambiente um pilar de seu pontificado, contou que pescadores italianos o procuraram e lhe disseram que encontraram muitas toneladas de plástico no Mar Adriático. Em outra vez que o papa os viu, disseram que haviam encontrado o dobro e se encarregaram de ajudar a limpar um pouco.


“Jogar plástico no mar é criminoso. Mata a biodiversidade, mata a Terra, mata tudo”, afirmou.

Cuidar das gerações é um processo de educação em que precisamos nos engajar, acrescentou Francisco, citando uma música do cantor brasileiro Roberto Carlos em que um menino pergunta ao pai por que o rio não canta mais, e o pai responde que já não existe mais.


Questionado sobre seu gosto musical, o papa, que fez visita surpresa a uma loja de discos de Roma no mês passado, disse que gosta principalmente de música clássica, mas também de tango.

Em resposta a uma pergunta sobre guerra, Francisco afirmou: “Pensem nisso. Se parássemos de fabricar armas por um ano, poderíamos alimentar e educar o mundo inteiro. Nos acostumamos com as guerras. É difícil, mas é a verdade.”


Agência Brasil