PT fecha apoio a candidato de Alcolumbre e Bolsonaro para a eleição no Senado

Folhapress

A bancada do PT no Senado decidiu nesta segunda-feira (11) apoiar Rodrigo Pachedo (DEM-MG) para a presidência da Casa, na eleição que será disputada em fevereiro. Pacheco é o candidato do atual presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP). O presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido) também explicitou seu apoio ao senador mineiro na última sexta-feira.

Alcolumbre inclusive chegou a levar Pacheco para um almoço com o presidente no Palácio do Alvorada, em dezembro.

O anúncio da posição petista aconteceu na tarde desta segunda-feira, após reunião virtual da bancada. Em nota, o partido afirmou que a decisão se deu por unanimidade e foi tomada considerando dois aspectos centrais: assegurar a independência do Poder Legislativo e propor uma agenda para superar a “gravíssima crise” que o país atravessa.

A bancada do PT se tornou nos últimos dias fiel da balança na eleição no Congresso. No Senado, a sigla conta com seis parlamentares, o que corresponde à sexta maior do Senado. Com a adesão da bancada, desconsiderando possíveis traições, Pacheco conta agora com o apoio de cinco bancadas – DEM, PSD, PROS, Republicanos e PT – que correspondem a 28 votos.

São necessários 41 votos para vencer a eleição, caso todos os senadores apareçam para votar.

Os petistas já pendiam para o lado de Pacheco desde o início da corrida pela presidência do Senado. No entanto, havia a expectativa de mudança de opinião de alguns senadores, após a oficialização de Bolsonaro à candidatura do senador mineiro.

Um dos argumentos em favor da aliança era que o partido já integra a aliança com o MDB na Câmara dos Deputados. Por isso, se tornaria impraticável replicá-la no Senado, o que poderia garantir o comando das duas Casas para o partido que capitaneou o impeachment de Dilma Rousseff (PT).

Além disso, Alcolumbre mantém proximidade com o líder petista, Rogério Carvalho. A reunião que decidiria a posição do partido chegou a ser antecipada para a quinta-feira da semana passada, após gestão do presidente do Senado, que queria fechar o máximo de alianças na semana passada, antes da definição do nome do MDB.

Após contato do líder do MDB, Eduardo Braga (MDB-AM), a bancada decidiu ouvi-lo antes de tomar uma decisão, em reunião que aconteceu na sexta. Inicialmente, a bancada petista pretendia garantir o comando da CAS (Comissão de Assuntos Sociais). Como mostrou o Painel, o partido agora objetiva continuar com a presidência da CDH (Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa), atualmente sob o comando de Paulo Paim (PT-RS) e obter a Comissão de Meio Ambiente.

O eventual comando dessas duas comissões pode resultar em dificuldades para o governo Bolsonaro, que terá um adversário ideológico controlando o que será barrado ou avançará em relação à chamada pauta de costumes e de meio ambiente, dois temas de grande importância para o governo.

A definição petista tende a fortalecer a candidatura de Simone Tebet (MDB-MS), atual presidente da CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) e considerada mais independente.

O MDB anunciou em dezembro que terá candidato único, sendo que a definição sairá nesta semana. Além de Tebet, havia três outros pré-candidatos: o líder da bancada, Eduardo Braga; o líder do governo no Senado, Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE); e o líder do governo no Congresso, Eduardo Gomes (MDB-TO). No entanto, com a confirmação na sexta-feira do apoio de Bolsonaro a Pacheco, Gomes e Bezerra perderam força. Há a expectativa que desistam.